19 de Agosto de 2012

Isabel Zibaia Rafael - Na primeira pessoa


 
Conheci a Isabel Zibaia Rafael num Workshop de Culinária e percebi de imediato a verdadeira paixão que nutre pela arte da gastronomia. No entanto, foi no segundo Workshop que realizamos juntas, de Sushi, que tive a certeza que existe quem nasça com uma mão para a cozinha e quem apenas jogue pelo seguro. A Isabel tem um gosto inato que a levou a criar o blog Cinco Quartos de Laranja, sem dúvida um dos blogs de referência na área e que aconselho a todos que se queiram inspirar ou iniciar nesta arte.

Encontrámo-nos numa fantástica tarde de sábado na esplanada do Feitoria Restaurant & Wine Bar do Altis Belém Hotel & Spa. Um restaurante galardoado com uma estrela Michelin com assinatura do Chef Cordeiro. Tendo o Rio como paisagem de fundo, enquanto saboreavamos um cocktail de maçã, não haveria cenário mais perfeito para conhecer melhor a Isabel.  


Isabel, como nasceu a tua paixão pela Culinária?


Eu desde que me lembro, que me interesso por comida e sempre gostei de cozinhar. Uma das imagens que marcam a minha infância é uma cozinha cheia de mulheres a prepararem, durante dias, a festa de casamento da minha tia, tinha eu uns cinco anos. Faziam principalmente doces e eu andava por ali, de vez quando tinha a sorte de rapar a taça de um bolo que tinha acabado de entrar no forno, de ver prepararem os suspiros, pães-de-ló que deviam ser batidos sempre para o mesmo lado, pequenos bolinhos coloridos que colocavam em papel frisado, e as famosas ferraduras que se ofereciam aos convidados. Eu queria muito ajudar e uma vez por outra davam-me um limão para raspar. Havia uma cozinheira, que sabia tudo, e as ajudantes. A imagem que recordo é uma imagem de gente feliz à volta da comida. Lembro-me também que cheguei a fazer o meu caderno de receitas com recortes que retirava de alguns produtos e de revistas. E depois ia tentando reproduzir. Houve alturas em que aos domingos fazia sempre um bolo diferente. Mas a grande reviravolta deu-se quando comecei o meu blogue, Cinco Quartos de Laranja.



Viajar é outra das tuas paixões, consideras que a comida e o prazer de viajar são indissociáveis?

Eu adoro viajar. Se pudesse a minha vida seria viajar e escrever sobre comida. Para mim, são prazeres indissociáveis. Eu sou daquelas pessoas que organiza as viagens e pensa logo nos locais onde irá comer. Por exemplo, o ano passado estive em Veneza e procurei descobrir alguns dos locais recomendados por Anthony Bourdain no seu No Reservations. Para teres uma ideia, nessa mesma viagem, fomos até San Gimignano, pois tinha a referência de uma gelataria com os melhores gelados do mundo. Quando visito uma cidade a par dos museus e de outras referências histórico-culturais, gosto de visitar os mercados, de descobrir novos produtos, de andar a pé na rua, de ver a arquitectura e de comer os pratos típicos ou tradicionais do local. Nas minhas viagens a comida e as experiências gastronómicas têm um orçamento significativo.

Tens algum Chef nacional ou internacional de referência?


Admiro imenso o trabalho de Hans Blumenthal e adorava visitar o seu conhecido restaurante The Fat Duck, gosto também do trabalho de Fergus Henderson, Mário Batali, Raymond Blanc, entre outros. A nível nacional gosto muito da cozinha do chef Cordeiro, do chef Vítor Matos, do chef Henrique Mouro, do chef Nuno Diniz, do chef Vítor Claro e do chef Carlos Martins. O trabalho dos chefs austríacos Dieter Koschina e Hans Neuner, ambos premiados com duas estrelas Michelin, que tive o prazer de conhecer no evento Rotas das Estrelas no restaurante Ocean, estão entre os meus preferidos.


Consideras que "somos o que comemos"?

Sem qualquer dúvida. Somos o que comemos em termos culturais. Os produtos, o modo como são confeccionados reflectem a cultura de uma região ou de um povo. Reflectem preferências, necessidades e técnicas. Somos o que comemos também em termos de saúde. O que comemos reflecte o que somos e como são os nossos hábitos alimentares: "Diz-me o que comes, dir-te-ei quem és".

Mais do que uma questão estética comer bem pode ajudar a sermos mais saudáveis. Existem alguns alimentos que consideres fulcrais na nossa alimentação?

Para mim é fundamental comer vegetais. Muitos e variados. Podemos incluir os legumes em praticamente todos os pratos, desde sopas, assados, arrozes e crus, em saladas ficam sempre bem. Para além dos vegetais é importante incluir fruta, pelo menos duas peças por dia. É preferível optar por comer uma laranja do que um sumo de laranja. Incutir o hábito da sopa. Eu sempre gostei de sopa e isso foi um hábito que adquiri à mesa com os meus pais. Havia refeições em que o prato era a sopa e não era preciso mais nada.



Com a crise que estamos a atravessar julgas que estamos a comer pior ou que pelo contrário nos tornámos mais criativos na cozinha?

Eu acho que nos tornamos muito mais criativos e cometem-se menos excessos. As pessoas ficam mais exigentes e estão mais atentas à relação preço/qualidade. Nos últimos tempos tenho visto muito mais pessoas a fazerem compras nos mercados/praças e isso é muito bom.

Um destino de sonho que alie a boa gastronomia à riqueza cultural?


Para mim, Itália. Eu sou uma apaixonada por Itália. Só ainda lá estive apenas três vezes e vim sempre rendida. Tive a sorte de começar pela zona da Emiglia Romagna. Lembro-me que uma vez, em Bolonha, comi uma massa de urtigas com molho de lagosta que me deixou maravilhada. Foi lá que comi também os melhores gelados de sempre.


Até onde gostarias que o "Cinco Quartos de Laranja" te levasse?

O Cinco Quartos de Laranja tem-me dado tanta coisa boa. Todos os anos em Dezembro faço o balanço do que foi o meu ano, e a cada ano que passa fico sempre encantada com as coisas que o blogue me tem dado. As pessoas que me tem permitido conhecer. Foi pelo trabalho que faço no Cinco Quartos de Laranja que tenho tido a oportunidade de conhecer vários restaurantes e chefes premiados com estrelas Michelin, que fui à televisão, que colaboro com a revista Saber Viver e que estou a dar esta entrevista. (risos) Onde é que gostaria que me levasse? Em primeiro lugar, espero que me continue a proporcionar momentos diferentes e coisas boas como até agora. Depois, o que gostaria são sonhos. Gostava de escrever regularmente sobre comida para revistas, ter uma crónica para um programa de televisão ou rádio. E como sonhar não custa, quem sabe ter até um programa do estilo No Reservations, mas no feminino. (risos)



Já pensaste em criar um livro de receitas?

Houve uma altura que não pensava nisso. Mas desde finais do ano passado que vários leitores me têm contactado a perguntar quando é que lanço um livro, e isso levou-me a pensar que talvez um livro do Cinco Quartos de Laranja não fosse má ideia. Bem, aguardam-se propostas! (risos)

Para as mulheres modernas que tem cada vez menos tempo que dicas darias para manter uma alimentação saudável para toda a família, rentabilizando o tempo e não gastando muito?

Como já referi incluir sopa às refeições, dar especial destaque aos legumes e às leguminosas. Pode-se fazer a base da sopa, congelar e depois acabar de preparar a sopa com legumes diferentes. Por exemplo, fazer uma base de abóbora, alho-francês e cenoura e depois incluir agrião. Numa outra vez, acrescentar espinafres e grão cozido, por exemplo. É uma forma prática de ter sempre sopa preparada, com a vantagem de poder ser sempre diferente. Fazer um plano das refeições semanais, pode ajudar e procurar rentabilizar as sobras. Sobrou frango assado numa refeição, na outra é servida uma frittata de frango, por exemplo. Em relação à questão da alimentação saudável, eu penso que se pode comer de tudo, incomoda-me a ideia por exemplo, que comer carne é politicamente incorrecto. O travão aos excessos depende do apetite e vontade de cada um. Antigamente a carne e o peixe eram usados quase como um tempero, dado os preços elevados. Desde o momento em que se democratizou o consumo de carne e de peixe, com a exploração intensiva destes recursos, o custo baixou e come-se muito mais. Para mim, o importante é encontrar um ponto de equilíbrio. Eu adoro comer um bom bife! Mas não como todos os dias.


Quais os programas de culinária que costumas acompanhar?

Vi várias épocas do Top Chef (versão americana), o Simple Suppers do Nigel Slater, The Delicious Miss Dahl de Sophie Dahl e a incontornável Nigella Lawson. Actualmente, vejo de vez em quando o Masterchef australiano.
 


Quais os teus restaurantes de eleição no nosso País e no estrangeiro?

Bem, só posso falar dos que conheço e, em Portugal, os meus eleitos são Feitoria, Ocean, Casa da Calçada, Assinatura, Flores do Hotel do Chiado, Casa da Comida, Colares Velho … Adorava visitar o Belcanto do chef José Avillez e, depois da apresentação do chef Leonel Pereira no Peixe em Lisboa, o Panorama é sem dúvida, um restaurante a que quero voltar. Espero não me estar a esquecer de nenhum que adore ...

A nível internacional recordo com bom grado a minha ida ao St. JOHN de Fergus Handerson e à Trattoria Da Romano em Veneza, na ilha de Burano. Pela vista fabulosa, indico o 360 no cimo da CN Tower, em Toronto.

Acho deliciosa a associação que fazes entre os livros e a comida em que nos fazes viajar por aromas e sabores. Em que te inspiras?

O ponto de partida é sempre a minha vida, as pessoas que me rodeiam e o que vou fazendo. Os livros são também muito importantes. Adoro ler. Ando sempre a ler um ou mais livros e isso reflecte-se nos meus pratos.



Noutras das rubricas que adoro, estabeleces uma relação entre receitas e filmes. Tendo isso em conta que prato associarias ao Breakfast@Tiffany's?


Teria que ser um prato elegante e com muito bom gosto. Sugiro umas vieiras gratinadas. São deliciosas.

"Sabores de Lisboa" dava um excelente guia para turistas, já pensaste nisso?


Sim, já tinha pensado nisso. A história do Coronel documentada com fotografias de alguns locais emblemáticos da cidade, seria algo interessante. Mas por enquanto preciso de desenvolver mais a história. Mas se aparecerem propostas tentadoras, não posso dizer, não! (risos)


Em que te baseaste para criar as tuas personagens Anouk e Luísa? Fala-nos um pouco delas.


A Anouk é uma personagem da escritora Joanne Harris, é a filha da Vianne Rocher nos livros Chocolate e Sapatos de Rebuçado. Na altura para responder a um passatempo, resolvi escrever uma história com personagens que me são muito queridas de uma autora que me levou a escolher o nome do blogue.
Cheguei à Luísa depois de ler o livro O Primo Basílio de Eça de Queirós. Gostei tanto do romance que resolvi escrever uma pequena história em homenagem à Luísa, que se perde tragicamente de amores pelo seu primo.

Recentemente iniciaste uma rubrica de entrevistas com Chefes. O que te fascina nesta arte? Quem mais te marcou até ao presente?

A rubrica das entrevistas era algo que já tinha pensado. O Cinco Quartos de Laranja não é só um blogue de comida e viagens, tem muitas vertentes e as entrevistas eram algo que estava à espera do momento certo. Ele surge quando conheci a Fátima Moura, autora de vários livros de gastronomia, a empatia foi tão grande que decidi propor-lhe uma entrevista. Entretanto já entrevistei vários chefs, um deles com duas estrelas Michelin, o que para mim, foi uma honra. Entrevistar pessoas desta área é algo que quero continuar a fazer.





Qual é o teu maior pecado na cozinha?

Não resistir a colocar picante nos pratos ... simplesmente adoro!

Eu também;)




Agradecimentos Feitoria Restaurante & Wine Bar do Altis Belém Hotel & Spa.



My Hair by Studio Glamour.

7 comentários:

  1. Olá Carmen,

    muito obrigada por esta oportunidade. Gostei muito do resultado final. Parabéns.

    Um beijinho grande para ti.

    ResponderEliminar
  2. Parabéns a ambas! Pela entrevista e pelo blogue que sigo desde que comecei eu própria nestas andanças! Foi o primeiro blogue onde participei num desafio e que me fez entrar neste espírito da blogosfera de corpo e alma!
    Tal como tantos leitores, também espero um livro pois apesar de a net estar sempre à mão, gosto muito do ritual de levar o livro de receitas comigo para a cozinha!
    Boa semana!

    ResponderEliminar
  3. gostei de te ver e de te ler, Isabel.

    e parabéns à entrevistadora.

    beijinhos para as duas

    ResponderEliminar
  4. Obrigada a todos pelos simpáticos comentários. Foi um prazer entrevistar a Isabel, só faltou um jantar preparado por ela a seguir;)

    ResponderEliminar